Fala Ferreira

Assim me saúdam os amigos de Guatemala.

EUA passa testemunho à China

Depois da segunda Grande Guerra, os Estados Unidos da América tornaram-se o motor da economia global. Criador da tecnologia e do modelo económico que depois se exportava aos outros; ele era também o principal destino das exportações do resto do mundo. Da saúde da sua economia nacional – e do seu potencial de consumo – dependia a saúde da economia mundial.

A partir de 1980, o país começa a ter dificuldade de manter-se nessa posição. Desde então, o crescimento económico abrandou significativamente e as crises económicas sucederam-se: 1985 na América Latina; 1997 na Ásia e 2008 nos EUA e na Europa. Na cimeira do G20 que decorre nestes dias, os EUA decidiram passar o testemunho à China que se comprometeu a estimular o consumo interno. O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, afirma que “na actual situação, o crescimento vem dos mercados emergentes na Ásia“.

Costumo dizê-lo na brincadeira, mas começo a pensar que é certo:

Em 2030 o nosso conceito de democracia e desenvolvimento estará modificado. O mundo se tornará diferente. Os EUA darão lugar à China. Inglaterra, o seu principal aliado, dará lugar ao Brasil ou à Índia. E o país mais desenvolvido do mundo não será mais a Noruega, mas Cuba. Em Portugal, o PCP passará a ser o partido do establisment.

Na actual situação, o crescimento vem dos
mercados emergentes na Ásia
Anúncios

28 de Junho de 2010 - Posted by | Economia, Mundo | , , , ,

Sorry, the comment form is closed at this time.

%d bloggers like this: