Fala Ferreira

Assim me saúdam os amigos de Guatemala.

PCP anacrónico

O texto já tem umas semanas (há algo de fora de tempo nesta “resposta”). Na verdade não voltei a pensar no texto de Fernanda Câncio de 15 de Outubro. (E acabo de descobrir que já lá tem outro da mesma estirpe.) Mas, nos últimos dias saíram notícias que me levam a pensar no mesmo. A actividade do meu partido começa a ser alvo de perseguição por parte do Estado: jovens militantes são presos por pintar murais e, ao mesmo tempo, políticos dão ordem de prisão a quem tentar fazê-lo. Já não é novidade que os partidos do poder – PS, PSD e CDS – procurem dificultar a realização da festa do partido (que, diga-se de passagem, recebe cerca de 20 mil pessoas por ano), mas até um partido de esquerda [sic] o começa a fazê-lo. Será que Fernanda Câncio não tem razão quando afirma que “a generalidade dos jornalistas” e – acrescentou eu – dos portugueses “não levam o PCP a sério“?

Fernanda Câncio tem razão. A Europa andou para a direita e o PCP manteve-se inabalável no numa posição de esquerda que ficou desligada da política. O PCP ficou desligado dos portugueses. Senão vejamos

  • Ninguém entende porque o PCP vem protestando contra a emergência de movimentos xenófobos na Europa. Eles são tão pequenos que não fazem mal a ninguém… Veja-se o nosso divertido PNR! Quer dizer, não é bem assim na Holanda, de algum modo na França, têm bastante poder na Alemanha. Mas com o mal dos outros posso eu bem.
  • Toda a gente sabe que isso de luta de classes e de greves é coisa do passado. As greves só servem para nos perder dinheiro, porque os governos não podem fazer outra coisa senão o que os “mercados” lhes mandam. E agora há que cortar nas despesas do Estado; então corte-se mesmo sabendo que não adiantará de muito e pode mesmo ser negativo para a economia real.
    De quatro em quatro anos, todos os portugueses têm a oportunidade de escolher o partido mais competente para fazer o que os mercados mandam!
Anúncios

31 de Outubro de 2010 - Posted by | Ideologia, Partidos, Sociedade portuguesa |

Sorry, the comment form is closed at this time.

%d bloggers like this: