Fala Ferreira

Assim me saúdam os amigos de Guatemala.

Jornalismo, violencia e economia

Nestas disputas entre esquerda e direita, meios de comunicação alternativa e meios de comunicação hegemónicos, Carta Maior e Globo, vale reparar que o que os distingue – entre todas as coisas – é a temporalidade com que trabalham. As perguntas que os jornalistas colocam, por estarem colocados (posicionados) numa temporalidade diferente, não são as mesmas. A temporalidade da esquerda é mais ampla que a da direita. Por isso, uns esquecem que há urgências, outros que há importâncias!

A cobertura que a imprensa fez da ocupação do Complexo do Alemão é elucidativa nesse sentido. Enquanto a Globo contava cada rajada de balas, entrava de urgência em directo sempre que um tiro era disparado e ainda que fosse por engano; os blogs alternativos fizeram textos analises de tempo longo, mostrando que o narcotráfico e a violência no Rio é resultado da debilidade institucional da polícia e da exclusão social das áreas violentas. Enquanto uns deixavam de perguntar-se como as armas chegaram à favela, outros esqueciam que elas já lá chegaram.  Enquanto uns procuravam resolver o problema com remendos por não reflectirem por as suas causas; outros, tão dedicados à análise das causas, postergavam a solução de tudo aquilo que devia ser solucionado de imediato.

Outro exemplo, é a recente medida do governo em aumentar a reserva compulsória dos Bancos com o objectivo de controlar a inflação. Infelizmente, e pese ao ponto de vista ideológico, o Estadão é o melhor jornal para quem está preocupado com assuntos económicos. Basta comparar o artigo publicado na Carta Maior com aquele publicado no Estadão: enquanto o primeiro foge do problema para o longo prazo – e, pelo caminho, elogia o PT – , o segundo oferece-nos mais a velha tese ideológica do menos Estado é melhor Estado. Se os problemas económicos que Dilma Russeff vai enfrentar são escondidos no primeiro texto; o segundo, apontando o problema das contas do Estado, esconde que a despesa do Estado inclui igualmente o custo de manter as tropas brasileiras no Haiti e o programa Fome Zero.

O jornalismo de direita é míope; o de esquerda sofre de hipermetropia.

Anúncios

7 de Dezembro de 2010 - Posted by | Ideologia, Imprensa | , ,

Sorry, the comment form is closed at this time.

%d bloggers like this: