Fala Ferreira

Assim me saúdam os amigos de Guatemala.

PCP e geração enrascada

Fui chamado a atenção para a contestação para o facto do PCP ter decidido participar na manifestação de 12 de Março convocada por Facebook. Os organizadores, mais uma vez, remeteram a  imprensa para a sua nota de esclarecimento. Por sua parte, Jerónimo de Sousa afirma que o PCP vai a convite da organização.

Jerónimo tem razão? A partir desta notícia posso afirmar…

  1. Ou o BE mente e os seus deputados não foram convidados para a manifestação.
  2. Ou a organização convidou apenas dos deputados do BE e não os do PCP.
  3. Ou o PCP foi de facto convidado!

… ou terão esquecido que ao convidar um deputado do PCP é entendido, pelo PCP e pelo deputado, que convidam o cargo (e portanto o partido) e não a pessoa?

Anúncios

6 de Março de 2011 - Posted by | Partidos, Portugal | ,

7 comentários

  1. -A geração deste movimento e a anterior, não sabem, mas vou avivar-vos a memória para algo que considero importante.
    -Não me espanta a tácita colagem do PCP (um fiel servo do estalinismo, Álvaro Cunhal foi condecorado pelo J. Estaline)a esta manifestação pois aquilo em que eles são especialistas, é na manipulação de massas, na demagogia, no fomentarem a intolerância, a pobreza e o genocídio… e depois, vêm com ar cândido, insinuarem-se como salvadores, quando fizeram parte dos carrascos!
    Foi assim na “exemplar descolonização” que deixou um rasto milhares de mortos/torturados e sofrimento em milhões de pessoas (ainda hoje), na destruição do tecido empresarial Português no período 74-75 (e que continuou, pois já estava iniciada), bem como nos Valores que devem nortear uma Sociedade Humanista…, eles são abortistas, o que é natural em genocidas (Rússia, China, Cuba, Angola, Moçambique, etc…).
    Face ao exposto, considero lamentável que tenha havido, pelo que percebi, um convite a essa malta, quando eles fazem parte do problema…, e como tal, nunca da solução. Basta ver a miséria que se vivia/vive nos países socialistas, caso da Líbia actual!

    Boa manifestação.

    Comentar por O não-esquecido | 7 de Março de 2011

    • Não vou debater consigo o que não vale a pena. De qualquer modo noto que não juntou a essa lista de países China e Chipre.
      Limito-me a reenviá-lo para o que escrevi aqui
      https://falaferreira.wordpress.com/2010/11/24/cunhal-e-a-checoslovaquia/

      Comentar por Jose Ferreira | 7 de Março de 2011

    • Abortistas? Cuba? Uma ilha que apesar de sofrer um bloqueio brutal levado a cabo pela maior super potencia mundial consegue ter uma taxa de mortalidade infantil menor que a dos EUA, prestando mesmo ajuda medica grátis a cidadãos desse mesmo país. São estes os “abortistas”? Isto para nem falar nos milhares de médicos Cubanos espalhados por esse mundo fora. Oh homem, cala-se que você não sabe de que fala. E deixe de chamar “socialistas” quando você sabe tão bem como eu que nos antigos países de Leste vivia-se capitalismo de estado, tal e qual como no Ocidente. Apenas aqui tem a ilusão de ir votar cada quatro anos, embora nada mude por isso. Nem se esqueça você de quem antagonizou sem descanso a esses mesmos países e muitos outros, como Nicarágua por exemplo. Guerra fria era só para o Ocidente, no Terceiro Mundo vivia-se uma guerra bem quentinha, como Vietname, Cambodja e Laos…Ou também foi o Staline que matou esses milhões todos?

      Comentar por Dez Troy-Carter | 7 de Março de 2011

      • Olá Dez…
        Sobre Cuba! É impossível não notar que se vive melhor na Europa do que em Cuba. Mas sempre me pareceu cobardia comparar um país insular, que foi colonizado, com outro continental e colonizador e retirar a conclusão de que o problema é o regime político. Um terço do mundo diz mal de Cuba! Os outros dois terços adoravam viver lá. Sei disto porque tenho amigos guatemaltecos que viveram vários anos em cuba e exclamam “os cubanos não sabem a sorte que têm”.

        Comentar por Jose Ferreira | 7 de Março de 2011

  2. Com pessoas dessas nem vale a pena argumentar. O ódio é tanto que os leva a cometer erros ridículos, pelo menos eu nunca ouvi falar de nenhum genocídio em Cuba ou socialismo na Líbia. Estando diariamente a par da imprensa internacional, como a grande maioria, alem de me interessar por estas coisas.

    Parabéns pelo blog, tens aqui um novo leitor, obrigado.

    Comentar por Dez Troy-Carter | 7 de Março de 2011

  3. Ver artigo completo em: http://bloguejs.blogspot.com/

    (…) O que não se compreende é que surjam uns tantos “letrados em facebook” a auto intularem-se, de “geração à rasca” como se (exceptuando a questão do desemprego) os dinamizadores e aderentes do protesto não vivessem (e felizmente) numa sociedade melhor organizada, com melhor capacidade de resposta e mais provida de meios do que a dos seus pais e avós!
    Apesar dos “canudos” que possuem (…), revelam um desprendimento preocupante pela história recente do país e pela significativa evolução entretanto registada.
    De tal modo, que a preocupação com os elevados índices de analfabetismo de uns atrás passou agora a ser substituída por licenciados sem emprego.
    Que os afectados reclamem, a gente entende e, no que for possível até tem o dever de contribuir para que o problema seja solucionado..
    A discordância está na forma e nos termos como o fazem, esquecendo-se dos que viveram verdadeiramente à rasca (e dos que ainda não se libertaram disso), pois isso de viver à rasca tem muito mais que se lhe diga do que os “letrados de facebook” possam imaginar..

    E agora surgem os já mais que esperados apoios do BE, do PCP, se bem que não deva ficar por aqui!

    Comentar por Jorge Silva | 8 de Março de 2011

    • Estimado Jorge
      Obrigado pelo copy-past. Espero que tenha dado uma boa vista de olhos pelo blog. Em particular, acho que este post lhe interessaria. Mas o seu comentário leva-me a dizer: não quero um emprego! Tenho um emprego. Uma bolsa de estudos, para os próximos 4 anos, que me foi atribuída pelo governo brasileiro. O que quero é que o meu país entre nos eixos. E, daqui, busco contribuir (apesar dos limites) para todos os movimentos que forcem a solução em que acredito: aquela recomendada pelo FMI, mas também por Stiglitz! Até porque a discussão dos dias de hoje, que retrato aqui, não é muito da que em 1934/35 opunha Pigou a Keynes. Eu tomo o lugar dos keynesianos, porque como se sabe foi Keynes quem resolveu a crise.

      Comentar por Jose Ferreira | 8 de Março de 2011


Sorry, the comment form is closed at this time.

%d bloggers like this: