Fala Ferreira

Assim me saúdam os amigos de Guatemala.

Sócrates e as sondagens

Depois de observar o fantástico gráfico de Pedro Magalhães e, a partir desse blog, ser encaminhado para este texto de Felisbela Lopes, resolvi passar a escrito algumas considerações sobre o momento atual. Dizer que Sócrates pediu demissão a  tempo de disputar eleições foi algo que fiz no dia 25 de Março (um dia depois da queda do governo). Nesse dia não tive coragem para afirmar que me pareceu provável a vitória do PS nas legislativas de 5 de junho. Mas hoje parece-me possível afirmar isso com convicção.

Porquê? Em primeiro lugar, porque sejam quais forem as medidas que o próximo governo irá tomar, elas serão definidas pelo acordo entre o governo atual (cessante) e o FMI. Passos Coelho apenas pode prometer aquilo que Sócrates decidir. Portanto, a  campanha voltou-se para o debate de quem é o culpado pela vinda do FMI. Apesar de eu acreditar que a vinda do FMI foi uma decisão partilhada entre os dois maiores partidos e o Presidente da República, somente o PS pode defender que fez tudo para evitar a entrada do FMI. O PSD já o defendia em outubro.

Por outro lado, Passos Coelho não conta com a confiança de boa parte da elite portuguesa. Daí a necessidade desta se bater diretamente (e atabalhoadamente) com Sócrates. Daí as desistências nas próprias fileiras fileiras do PSD. Mas consequentemente, a comunicação social e os opinion makers não comprarão tão facilmente a tese da inevitabilidade o FMI que isentaria o PSD das culpas que carrega por ter chumbado o PEC. (Diga-se de passagem, acredito que a vinda do FMI já estava decidida bem antes do chumbo do PEC). A grande capacidade de marketing de Sócrates fará sempre passar a ideia, pelo menos entre os que sempre votam PS, de que se o PEC IV fosse aprovado teríamos evitado o FMI.

De qualquer modo, o mais grave de tudo isto resume-se em poucas palavras. Os partidos de centro pedem aos portugueses que julguem o culpado pelo programa de governo que vão implementar. Ganhe o PS ou o PSD, ambos poderão dizer: “Estamos a implementar estas medidas porque ELES nos obrigaram a pedir o resgate ao FMI”. O próximo governo será o carrasco que lava as suas mãos como Pilates.

Anúncios

27 de Abril de 2011 - Posted by | Partidos, Sociedade portuguesa | , , ,

Sorry, the comment form is closed at this time.

%d bloggers like this: