Fala Ferreira

Assim me saúdam os amigos de Guatemala.

Maduro vs. Capriles

Há medida que o tempo vai passando e a água vai assentando, o que se vai sabendo acerca das eleições na Venezuela vai dando razão a Maduro. A verdade vai estando do seu lado; a imprensa não. As eleições venezuelanas sempre previram a recontagem. Lendo com atenção esta notícia no El país descobre-se que 54% das urnas foram “recontadas a quente”, ou seja, na noite eleitoral de acordo com o procedimento padrão do sistema. (Por procedimento padrão, mais de 50% das urnas, escolhidas por sorteio, é recontada). Hoje, o CNE aceitou a recontagem das urnas restantes (46%). Para a histórica, e nas palavras da imprensa venezuelana, vai ficar que a oposição exigiu a recontagem de 100% dos votos e que o CNE pró-chavista apenas aceitou recontar menos de metade.

Em jogo estão os votos da classe média – que justifica a passagem de mais de 600 mil votos do chavismo para a oposição entre novembro e abril. Em jogo estão as eleições municipais de julho e as para o congresso de 2014. Um calendário eleitoral que pode sustentar ou aniquilar o chavismo. Portanto, se a reflexão que fiz no meu último texto está correta, então a forma de governar, isto é, o respeito pelas instituições do Estado, será mais importante que o resultado das políticas económicas. Acresce-se que se Maduro tem a televisão do seu lado, Capriles tem os jornais (que tendem a merecer mais a confiança da classe média). E se Maduro tem as instituições do Estado do seu lado; Capriles tem o talento político.

O impasse na decisão sobre a recontagem dos voto já favoreceu Capriles. Será Maduro capaz de capitalizar a seu favor o facto da montanha ir parir um rato? (Sendo um dos sistemas de votação mais seguros do mundo, duvido que a recontagem não confirme a vitória de Maduro). Além disso, a Unasur avançou com uma medida que pode favorecer Maduro: a “auditoria” da violência pode desgastar a imagem de Capriles. Afinal, por muito que se tenha demarcado dos atos violentos, a violencia foi perpetrada pela oposição

Mas quando se nota que a decisão de recontar todos os votos também chegou apenas depois da reunião da Unasur, fica claro que o melhor aliado de Maduro é o bom conselho dos seus companheiros internacionais.

Anúncios

20 de Abril de 2013 - Posted by | Mundo, Partidos | , , ,

Sorry, the comment form is closed at this time.

%d bloggers like this: