Fala Ferreira

Assim me saúdam os amigos de Guatemala.

A unidade à esquerda no Brasil

A unidade de esquerda é um daqueles temas recorrentes nos debates entre partidos que se dizem de esquerda. Hoje veio à baila mais uma vez, depois de publicada a entrevista de Marcelo Freixo na Folha. Freixo argumenta que talvez este não seja o melhor momento para falar em unidade de esquerda. Porquê? Porque a aproximação do PT aos partidos à sua esquerda decorre da impossibilidade de fazer alianças com a direita. Implicitamente ele afirma que a vontade de Lula em negociar com o PSOL só dura enquanto houver indisponibilidade do PMDB para negociar com o PT. Esta unidade de esquerda depende da vontade e do interesse da direita.

Penso que Freixo tem razão, mas há razões mais profundas para deixar de lado a tese da unidade de esquerda.

Primeiro porque uma política de esquerda deve assentar em premissas reais. A premissa real é que Lula não será candidato. Embora eu não duvide que Lula seja corrupto, tenho muito mais certezas que faltam provas ao Ministério Público para demonstrá-lo. O que ocorreu no Brasil foi um julgamento típico de ditaduras. Mas a esquerda não tem meios para deter o processo em curso e muito por culpa do PT. Como li hoje no Facebook, onde estão a CUT e  o MST?

Em segundo lugar, deve ser sublinhado que a “unidade de esquerda” é uma bandeira que sempre reduz a política às disputas partidárias pelo aparelho do Estado aos seus diversos níveis. Mas o problema de esquerda é que está perdendo a sociedade. (A ineficácia da CUT e do MST, indicada no parágrafo anterior, mostra isso.) E as razões são óbvias: a esquerda governista (PT e PCdoB) fez outsourcing da organização da classe operária para a IURD/PRB; a esquerda oposicionista (PSOL, PSTU, PCB, etc.) escreveu livros sobre isso. É incrível que a esquerda brasileira, cada vez mais afastada daqueles que diz representar, esteja mais preocupada com arranjos de cúpula para as eleições de 2018. Há unidade de esquerda para combater a reforma da previdência?

Finalmente, tenho dúvidas que a unidade de esquerda sirva, de fato, para alguma coisa. Sobretudo quando somos marxistas e o nosso objetivo não é ganhar eleições, mas mudar a sociedade. Li por aí que o que acelerou a Reforma agrária no Rio de Janeiro, na década de 1960, foi a racha entre o PCB e o PCdoB: sempre que um ocupava terras e fundava um novo acampamento, o outro corria atrás para conseguir também mais um acampamento.

29 de Dezembro de 2017 - Posted by | Brasil, Ideologia, Partidos | , , ,

Sorry, the comment form is closed at this time.

%d bloggers like this: